10 abril 2007

Cataclisma


É na verdade diluída de um fato
Que se percebe os atos de omissão
É onde morre a confiança
E nasce outra cicatriz no coração

São falhas no respeito
Quem dirá consideração...
Pra quê dizer palavras bonitas,
Se num fundo é tudo traíção?

Quem tenta usar a mesma chave
Pra abrir duas portas diferentes
Acaba se trancando do lado de fora
E nunca a atravessa novamente

E la fora fingindo nao sentir frio
Torna-se escravo do orgullho
Não enxerga os próprios erros
E os repete no futuro...

Chega a parecer o fim do mundo,
E talvez ainda seja de caridade
Por quê o alívio da dor
Só é pra quem tem humildade

Nesse mundinho hipócrita
De uma coisa eu tenho certeza
Honra, Fidelidade e Caráter
Nem todos têm pela vida inteira...

E é com pesar que se encerra
As qualidade de um pobre mortal
Ninguem assim é digno de um amor eterno
E eu aqui achando que era especial...


Renato Moss

Nenhum comentário: