08 novembro 2009

Oração



Sim, oh Deus que é por nós,
Livra-me desses tormentos que me abalam,
Faz-me sangue puro, dá-me um passado
Dita-me as regras e segure minhas rédeas..

Oh, não aguento mais tanto infortúnio,
Das dores dos amores desse mar profundo
De luz quero que seja a minha glória
Chega de experiência pelo mundo afora...

Oh, quem mais senão Tu, Pai?
Conhece os delirios do meu coração?
Quem mais pode livrar-me pra sempre
Das malícias e de tanta aflição?

Ajuda-me oh Pai, também sou teu filho...
Diz me com susurros, aponta-me o equilíbrio
Chega pelo menos por ora de dias aflitos
Sou nato, apaixonado e corro perigo...

21 outubro 2009

A Sina


Eis que tentam os outros.
Provar-me da carne que lhes restam
Dos dias que lhes são sombrios
E das palavras que embebedam...

Eis me aqui, que faço o prodigio
Que honro meus ímpetos de signo
Que choro por dentro como ninguem
E que rego meu jardim de conflitos

Sou o que sobrou dos antigos homens
Sofro do que mais ninguem tem fome
Resisto aos esmeros da civilização
Sou nato apaixonado, mas sei dizer não

Por que então não ser co-autor da harmonia?
Ser amado por si mesmo, sem deveras avarias?
Narcisismo pragmático, amor próprio de fato..
É a sina dos meus, eternos apaixonados...

Renato Moss

20 setembro 2009

Antes que seja tarde...



Vai e volta essa incerteza...
Antes que seja tarde, tentemos
Longe demais? talvez nem tanto.
E quem disse que a distância impede?
Riremos juntos de todo esse caos...
Imagine amor, é uma chance...
Antes que seja tarde, tentemos...



Renato Moss

26 agosto 2009

Quem sabe...



E desde quando as coisas são assim?
Exatamente como achei que deveriam ser...
Com promessas resultantes dos momentos,
Melhores...

Alguns momentos são os melhores
Porquê tem um quê de insatisfação...
Talvez tenha sido na medida perfeita,
Mais que perfeita, um suvenir...

E é assim então que findo a minha neurose...
Liberto estou, vivo sou e tenho sorte,
Sorte no amor, amor próprio
Nem que seja um pouco provisório...

E é assim então que agradeço a ti...
Pelo meu resgate, fim da cruel insanidade
Pelos dias entorpecidos, pela vida e saudade
Por um momento ter sido a minha metade...

24 agosto 2009

Tambem tenho...

Voltei ao céu e calei-me
Inspirado enquanto em silencio
Distraido com toda a paz do mundo...
Assim eu fiquei, repentinamente...

Mas, o engraçado é que achei um tanto normal
Até me fez esquecer que era real..
Riam todos de mim, com um quê de satisfação,
Indagavam: o que está acontecendo com ele?
Assim mesmo, com um sorriso de lado
Não respondi, não era preciso...
A resposta tão na cara se resumia num só suspiro...

20 agosto 2009

Vida, vida minha...

Vida, vida minha...
Sensatez é não sofrer?
Solidez é nao arriscar?
Loucura é não viver...

Ter escolhas,
Entre o cômodo e o sismico
Viver antônito ou cheio de conflitos?
que fazer, oh vida, vida minha...

Certo de que não há o certo,
Certo de que nada é perto...
Perto cada vez mais do incerto
que fazer, oh vida, vida minha...

Sentidos retorcidos, distorcidos
Nada quase ao menos polido,
Nada trasnparece, esquece...
É a vida, oh vida minha

E tentei pela razão, tentei pela emoção...
Quem me deu a mão? solidão...
Busca de méritos? simples conforto mental?
Amor platônico? ascensão intelectual?

Vida, vida minha, sei que só Eu
E Sei que só, terei de abastar-me
Dos teus encantos, que são tantos...

Talvez seria somente entregar-se
A ti, oh vida, vida minha...

15 julho 2009

Re-Laços Ação




Depêndencia físico-quimica
Submissão permissiva
Contrato de possessão
Ofuscado pela emoção

Inversão magnética
vibrações sintéticas
causa particular
um sócio peculiar

Porque então incomoda?
Deveras projeções catastróficas?
Em que sentido se toma o rumo,
Ao findar-se um incerto futuro?

Despejo do paladar social
Que se faz do caráter moral
Necessidade humana, carnal
Se perde perante à razão, banal...



Renato Moss

08 junho 2009

14 channels of shit...


Duradoura essa incerteza...
Busca incessante, militante
Quão formosa és, oh lua de prata
Que me diz hoje pela madrugada?

Me diz, deixa eu confiar em ti...
Deixa eu ser capaz, capataz
Deixa eu chegar, sem final, nem feliz

Me diz através do seu som mudo
Uma conclusão de tanto observar o mundo
Que estou certo, mesmo sendo incerto
Inquieto, por tentar ser feliz

Me diz sem expressar euforia
Sem nenhum sabor de nostalgia
Me diz através do seu som puro
Que é certo, inquieto e tão certo o meu futuro...

28 maio 2009

Mente






A simples mente
Simplesmente
SimplesMente,
simplAumente
A Mente
Eminentesimpl
Tenha em mente
A simples mente



Renato Moss

27 maio 2009

Pensamento...


Notória serenidade
Regente, tranquiliza meus insights
Modifica meu humor, anestesia-me, quem sabe...
Poço de desilusão.

Queda d'água num semblante
Desofusca minha realidade
Meu Eu solitário
Eu dono da verdade

Eu poeta ambíguo
Com mensagens sem um destino
Traduzo em poucas palavras
O que já se foi um menino...

É de certo impotente
Queda d'água quente
Um consolo confortável
Em um momento memorável




Renato Moss